Pontos Turísticos

Prainha – Praia com aproximadamente 200m de comprimento e 10 m de largura, na baía de Antonina. Possui águas claras e rasas, vegetação rasteira e elevações junto ao mar. O acesso pela é pela estrada que vai a Ponta da Pita. Possuindo área de lazer, lanchonete, ancoradouros para barcos pequenos, etc. Localiza-se no bairro do Itapema, a 4 km do centro.

Ponta da Pita Formação rochosa que avança dentro da baía, é um agradável local de lazer, ideal para banhos, pescarias e piqueniques. Localiza-se no Bairro Itapema.

Ponta do Félix – Construiu-se no ponto mais calmo e isolado da região. O entroncamento de quase 500 m. No local funciona os Terminais Portuários da Ponta do Félix, o mais moderno terminal frigorífico da América Latina. Localiza-se no Bairro do Itapema, a 6 km do centro.

Rio do Nunes – Possui 10 m de largura e seu leito é revestido de pedregulhos e água límpida. Construí-se em agradável praia fluvial, em área gramada e arborizada, usada para acompanhamentos e possuindo ainda mesas, bancos, churrasqueiras, bar, vestiário e sanitários. Localiza-se a 16 km de Antonina, no distrito de Cacatú, com acesso pela PR 340.

Pico do Paraná – Situado na divisa entre Antonina e Campina Grande do Sul, possui 1962 m, sendo o mais alto do sul do Brasil. Foi descoberto por Reinhard Maack e conquistado em julho de 1941. Hoje quando já se comemorou o cinqüentenário de sua conquista, o pico faz parte do roteiro dos aficionados pelo montanhismo. Pertence o ponto culminante à Antonina, sendo o seu acesso feito por Campina Grande do Sul.

Bairro Alto – Com seus rios, cachoeiras e densa vegetação, vão se firmando como nova área de lazer e caminhadas ecológicas, não só pelo seu apelo natural, mas pelo interesse histórico, como os vestígios da antiga Usina Cotia, pelo lugar onde teve início a colonização japonesa no Paraná ou ainda pelas inúmeras trilhas, como a da Conceição que outrora fazia a ligação entre o local e Apiaí (SP) e cujos trechos remanescentes permitem que se percorra o trajeto entre a represa dôo Capivari e o Bairro Alto.

Raffiting – Descida em bote inflável pelas corredeiras do Rio Cachoeira, com percurso de aproximadamente 3 km, onde se podem apreciar as belezas naturais, principalmente o Pico do Paraná, o mais alto do sul do Brasil. Possuindo de fácil à média dificuldade e duração de 45 minutos, permite a participação de crianças a partir de 10 anos. O início do passeio é no Bairro Alto, dentro do Parque Estadual Roberto Ribas Lage, onde existe toda a infra-estrutura: vestiário, lanchonete, restaurante, área de camping, quadra de vôlei, churrasqueira, além de atividades como cavalgadas e caminhadas por trilhas ecológicas. O acesso é feito pela Rodovia BR 277 ou pela estrada da Graciosa, até a entrada de Antonina, depois pela PR 340, até a Usina Parigot de Souza.

 

Usina Hidrelétrica Parigot de Souza (Capivari-Cachoeira) – Localizada no distrito antoninense de Cacatú, a 35 km do reservatório central situado junto à BR 116, sendo a água conduzida por um gigantesco túnel que atravessa a Serra do Mar. A água captada no reservatório do Rio Capivari deságua no rio Cachoeira, tomando-o bastante caudaloso.

Porto Barão de Teffé – Quando do apogeu da erva-mate no Paraná, o Porto de Antonina chegou a ser o 4º do Brasil. A queda na produção do mate e  Segunda Guerra Mundial acabaram por deslocar o centro portuário do Estado para Paranaguá, Por muito tempo, o carvão mineral empregado em nossas indústrias, vindo de Santa Catarina, foi descarregado neste porto, sendo que atualmente encontra-se em funcionamento. Localiza-se na Avenida Conde Matarazzo

 

Filarmônica Antoninense – Fundada em 30 de agosto 1975, a Filarmônica antoninense está incorporada ao folclore da cidade. É de caráter beneficente e destina-se a promover e desenvolver a cultura e a tradição musical, participando em atividades cívicas e integrando a juventude antoninense.

 

Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar – No ponto mais alto da Antonina, de onde se descortinam a baía, montanhas e parte de Paranaguá, a Igreja Matriz confunde-se com a história da cidade fundada em 1714. Situa-se no centro da cidade, na Praça Coronel Macedo.

Igreja São Benedito - De construção secular, suas características coloniais foram alteradas sem serem seguidas normas de restauração. Segundos a tradição, esta igreja era refúgio religioso dos escravos que viam no milagroso Santo, o seu protetor contra a perseguição do homem branco.

Situada na atual Rua Dr. Carlos Gomes da Costa (antiga Largo de São Benedito), um elemento de destaque dentro da malha urbana.

Segundo tradições, a Igreja de São Benedito, de construção secular e estilo eclético, serviam de refúgio religioso para os escravos que viam no milagroso santo, seu protetor contra a perseguição do homem brando.

No testamento que foi deixado pelo Capitão Antonio Ferreira do Amaral em 1831, ficou estabelecida a quantia de 300 mil réis, para que se construísse na larga e antiga rua denominada São Benedito, uma igreja em homenagem ao Santo Padroeiro.

Sua construção esteve por muitos anos paralisados, mas graças à boa vontade da população voltou a ser reconstruída, tornando-se um dos templos católicos mais freqüentados da cidade.

Todos os anos na semana que antecede o dia 26 de dezembro a irmandade do Glorioso São Benedito e os fiéis, promovem novenas em homenagem ao santo.

Localização: rua Dr. Carlos Gomes da Costa

Horário de visitação: Mediante autorização junto à Casa Paroquial

Igreja Bom Jesus do Saivá – Monumento histórico do século XVIII, teve sua construção iniciada provavelmente entre os anos de 1789 e 1817. O monumento religioso foi tombado em 1970 e completamente restaurado em 1976.

 Fonte da Carioca – Tombada pelo Patrimônio Histórico e artístico do Paraná em 1969, foi o único meio da cidade, desde 1867 até o final da década de 30. Consta que a fonte recebeu a visita do imperador D. Pedro II em 1880, o qual bebeu da fresca e cristalina.

Estação Ferroviária – A Estação Ferroviária de Antonina, terminal ferroviário da Linha Morretes – Antonina é exemplo vivo da fase áurea do mate, quando Antonina se destacava como 4º porto brasileiro. A construção deste prédio data do ano de 1916. De estilo eclético, o prédio possui bom desenho de arquitetura, com detalhes e requintes, como a abertura da plataforma de embarque confeccionada em ferro pré-fabricado.

Sede da Prefeitura Municipal – O prédio que serve de sede à Prefeitura Municipal é uma construção de aspecto centenário, mas data de 1914. Possui uma placa comemorativa do 44º ano de visita do Imperador D. Pedro II à Antonina. No seu interior destacam-se bonitas pinturas a óleo com motivos diversos, entre os quais uma paisagem da baía de Antonina.

  Theatro Municipal – Constituídos na segunda metade do século XIX, localiza-se na Rua Carlos Gomes da Costa Numa área construída de 630 m2. Remonta á fase áurea da economia de Antonina de linhas ecléticas ricas em adornos. Consta que o “theatro” teria sido erguido pela Sociedade Teatral de Antonina, fundada em 1875. A Prefeitura adquiriu o   espaço no início do século XX.

 Praça Coronel Macedo - Antiga Praça da República foi denominada Coronel Macedo em Homenagem ao ilustre Prefeito que dedicou especial cuidado ao mais antigo e belo logradouro da cidade, que possui em seu entorno, diversos monumentos que prova o esplendor do ciclo da erva-mate. O coreto, o chafariz e algumas árvores raras, como duas canforeiras no extremo da praça, próxima à Igreja de Nossa Senhora do Pilar, são algumas atrações, além do busto em bronze e a carta testamento de Getúlio Vargas, desde a fundação da cidade, com a ereção da Igreja de Nossa Senhora do Pilar, o espaço hoje ocupado pela Praça Coronel Macedo sempre foi destinado à comunidade.

Primeiramente denominado “Campo da Matriz”, “Pátio da Matriz” e “Praça da República”, era ali que aconteciam as cerimônias mais marcantes dentro da história da cidade.

Este logradouro público foi um dos mais belos do Paraná, local de encontros cívicos de muitas gerações, com o busto de Getúlio Vargas e sua Carta Testamento, um marco em homenagem a um heróico filho desta terra, soldado Francisco de Oliveira, que tombou em campos de batalha na Itália, durante a Segunda Guerra Mundial.

Também foi espaço das retretas de ontem no coreto, apresentadas pelos músicos da velha guarda, e continua sendo das retretas de hoje, executada pela Filarmônica Antoninense, composta de jovens cujas idades variam entre oito e 17 anos.

Os românticos e seresteiros fizeram desta praça a ribalta dos seus olvaneios.

A Praça Coronel Macedo foi construída na Administração do Coronel Antonio Ribeiro de Macedo, que foi prefeito nos anos de 1895 a 1900. Após seu falecimento, a Câmara Municipal, através do projeto lei, deu o nome de “Coronel Macedo”, em homenagem ao seu idealizador.

Na década de vinte, esta praça recebeu tratamento paisagístico e foi densamente arborizada.

Atualmente, por sua exuberante vegetação e pela ambiência proporcionada pelo casario antigo que a contorna, ela se constitui num dos mais agradáveis pontos da cidade.

Durante as festas religiosas, é neste local onde se instalam inúmeras barracas e a praça se mescla às ruas para receber os visitantes.

Localização: Centro

Praça Romildo Gonçalves Pereira – Feira-Mar – Recanto de onde se descortinam a bela baía antoninense, os baixios, embarcações primitivas e motorizadas e os navios que chegam e partem do ancoradouro, além das azuladas que contornam o mar.